O Tapuiasaurus macedoi (Zaher et al., 2011) é um dinossauro saurópode (ver postagem “Casos de Família” para conhecer as relações entre os grupos de dinossauros) que foi encontrado e descrito pela equipe do Laboratório de Paleontologia do Museu de Zoologia da USP no norte do estado de Minas Gerais, em uma cidadezinha chamada Coração de Jesus. 

O “tapuia”, como é carinhosamente chamado pelos integrantes da equipe, viveu há cerca de 120 milhões de anos, e foi escavado em rochas da Bacia Sanfranciscana – uma das principais bacias sedimentares do país. Esse dinossauro pertence ao grupo dos titanossauros, considerados como a última linhagem de saurópodes a existir, extintos junto aos demais dinossauros no final do período Cretáceo.

ID_Paleo_002_Tapuiasaurus_macedoi_Figura_1_Bacia Sanfranciscana 600
Localização da Bacia Sanfranciscana

 Embora em todo o território brasileiro já tenham sido registradas outras espécies de  titanossauros, o Tapuiasaurus macedoi chamou a atenção por um detalhe muito importante: o seu crânio!

ID_Paleo_002_Tapuiasaurus_macedoi_Figura_2_Cranio em campo
Crânio do Tapuiasaurus em campo.

O crânio do Tapuiasaurus é um dos mais completos e bem preservados já encontrados entre todos os titanossauros conhecidos no mundo atualmente, sendo o primeiro descoberto no Brasil. Seus dentes em formato de lápis indicam que ele devia se alimentar puxando ramos de folhas da copa das árvores. O formato alongado do crânio, com olhos lateralizados, sugere ainda que o animal enfiava o focinho nos arbustos, deixando os olhos para fora a fim de observar o que acontecia ao redor, mesmo enquanto se alimentava.

ID_Paleo_002_Tapuiasaurus_macedoi_Figura_3_coleta ossos
Trabalho de coleta do Tapuiasaurus.

O Tapuiasaurus representa uma descoberta importante por dois motivos principais: primeiro porque ele estende a origem do grupo dos titanossauros mais avançados para um período muito mais antigo, preenchendo um vazio temporal de mais de 30 milhões de anos na história evolutiva de seu grupo. Segundo porque o exemplar encontrado preserva partes pouco conhecidas do esqueleto dos titanossauros: vértebras do pescoço e um pé completo, além, claro, do já citado crânio.

Tapuiasaurus_exposicao_figura_4
Tapuiasaurus em exposição no Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo

Com o estudo das características anatômicas do Tapuiasaurus, os cientistas estão conseguindo  compreender de forma mais profunda a aparência, os hábitos de vida e como foram os primeiros passos da evolução dos titanossauros durante seu período de existência.

Autor Alberto Carvalho