Você já parou para se perguntar como o mundo científico chega até as crianças? Pensando rapidamente, não é difícil perceber que a ciência na infância não se limita ao aprendizado escolar. Quem viveu nos anos 80, por exemplo, provavelmente se lembra do famoso brinquedo que simulava de forma simples – e com substâncias tão simples quanto – um pequeno laboratório de experimentos científicos. E como todos sabem, poucas coisas são mais pop do que brinquedos!

A tendência continua até hoje, porém de forma muito mais profunda e didática. Em 2015 foi inaugurada no Brasil a e-Vivacity, primeira loja online de brinquedos científicos e educativos. No catálogo, kits que demostram na prática, através de experimentos básicos reais, o que ocorre nos ramos da química, física, biologia, anatomia, eletrônica, robótica, entre outros. Uma “mão na roda” não só para os pais, mas também para os professores, que têm por vezes a difícil tarefa de tornar as aulas cada vez mais didáticas e interativas a fim de prender a atenção dos pequenos.

Figura 1 – Exemplos de brinquedos da e-Vivacity – imagem e-vivacity.com
Exemplos de brinquedos da e-Vivacity – imagem: e-vivacity.com

Em setembro desse ano, o mesmo aconteceu em Portugal, numa parceria entre a marca Ambar e a Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (FCUP) que resultou na Ambarscience, uma linha de brinquedos científicos e pedagógicos com mais de 50 itens para crianças e jovens entre três e quatorze anos. Sim, você leu certo: brinquedos criados em parceria com uma faculdade de ciências!

Figura 2 – Exemplo de Brinquedo da Ambarscience – imagem ambar.pt
Exemplo de Brinquedo da Ambarscience – imagem: ambar.pt

Para fechar o hall de exemplos, e mostrar que essa tendência “não está para brincadeira”, a gigante dinamarquesa Lego acaba de lançar a coleção Mulheres da NASA, homenageando cientistas do sexo feminino que são ícones da história da organização americana. A ideia partiu da escritora e editora de ciência Maia Weinstock, e foi enviada através do Lego Ideas, projeto que permite aos fãs darem sugestões para a criação de novos produtos que, se atingirem um bom número de votos, entram em produção e comercialização.

Apesar do caráter não diretamente educativo, a homenagem é extremamente bem-vinda, e conta com miniaturas da astrônoma Nancy Grace Roman, da cientista da computação Margaret Hamilton, da astronauta Sally Ride e da física Mae Jeminson. O nome original da coleção de brinquedos é “Ladies Rock Outer Space”, ou seja, “Mulheres detonando no espaço sideral”!

Figura 3 – Brinquedos da coleção Mulheres da NASA – imagem lego.com
Brinquedos da coleção Mulheres da NASA – imagem: lego.com

Mas e a televisão?

Se a lista de brinquedos educativos fosse continua, poderíamos citar ainda diversos brinquedos que certamente muitos lembrariam, mas confiaremos na memória afetiva do leitor para discorrer sobre o próximo tema: os programas infantis.

Se você, assim como este que vos escreve, cresceu na década de 90, sabe a forte influência que a televisão e os desenhos animados tiveram em nossa formação. Dos programas educativos da TV Cultura, como os clássicos X-Tudo e Castelo Rá-tim-bum (Lá vem o Tíbio e o Perôôônio…), que marcaram gerações, chegamos aos fantásticos da tv por assinatura, como é o caso de O Laboratório de Dexter, Phineas & Ferb, e os atuais Hora de Aventura e Steven Universo. Nesses últimos, é importante dizer que não há um caráter educativo, mas sim uma alegoria da ciência, distorcendo a realidade em prol do entretenimento (afinal, nem tudo na ciência acaba tão bem como nos desenhos animados), mas ainda assim cumprindo o papel de gerar interesse no público infantil.

Figura 4 – Personagens do Castelo Rá-Tim-Bum – imagem uol.com.br
Personagens do Castelo Rá-Tim-Bum – imagem: uol.com.br

Por fim, claro, temos o advento da internet e da informação em tempo real que, acredite, chega até aos menores – já viu como muitos deles ficam horas com o olhar fixado no YouTube ao assistir Peppa Pig, Galinha Pintadinha ou animações do gênero? Mas a internet, amigos, é um fenômeno à parte, e um papo para outra hora.

Figura 5 – O Laboratório de Dexter – imagem pinterest.com
O Laboratório de Dexter – imagem: pinterest.com

No mais, a influência dos pais e de parentes mais velhos, como os irmãos, na formação da criança é de fundamental importância nesse sentido, apresentando a ciência a ela desde cedo, seja através de brinquedos, programas educativos, passeios a museus, eventos e exposições, ou simplesmente explicando com cuidado, paciência e didática seus numerosos questionamentos. Afinal, “Por quê?” é uma pergunta maravilhosa…

Autor Luis Henrique Bio

Fontes: Sites G1, R7, Observador, paralelas.wordpress

Mesquita, N. A. da S. & Soares, M. H. F. B. (2008). Visões de ciência em desenhos animados: uma alternativa para o debate sobre a construção do conhecimento científico em sala de aula. Ciência & Educação (Bauru), 14(3), 417-429.