Os anfíbios são um grupo de animais que vivem entre dois tipos de ambientes: o terrestre e o aquático (daí o seu nome, que deriva do grego e significa “duas vidas” ou seja, vive em dois meios distintos). Muitos anfíbios apresentam adaptações na fase adulta que os permitem viver em ambientes mais secos, mas durante os estágios iniciais (conhecido como girino) a vida na água é imprescindível. Porém, a água pode ser, muitas vezes, um recurso escasso e muito disputado na natureza, o que leva algumas espécies a apresentarem estratégias para “driblar” esse problema.

É o caso desse diminuto sapo arborícola, descrito por Marcos Jiménez de la Espada, em 1870. O sapinho-da-bromélia, Dendrophryniscus brevipollicatus, pertence à mesma família dos grandes sapos-cururus, Bufonidae. Essa espécie de anuro é endêmica do Brasil e distribui-se nos Estados de São Paulo e Rio de Janeiro em áreas de Mata Atlântica da Serra do Mar.

ID_Recente_004_Sapinho_da_bromelia_Figura_1_edit
Dendrophryniscus brevipollicatus. Foto: Leo R. Malagoli.

O sapinho-da-bromélia é assim conhecido devido à sua história de vida estar inteiramente ligada às bromélias. A forma da folhagem dessas plantas, como se fosse um “copinho” ou “vaso”, permite o armazenamento de água no seu interior, o que serve como local de reprodução e abrigo para esse anfíbio. Por apresentarem uma área de vida restrita e devido à crescente perda de habitat para criação de gado e pelo desmatamento, além da coleta indevida de bromélias em matas nativas, essa espécie pode vir a tornar-se ameaçada de extinção.

ID_Recente_004_Sapinho_da_bromelia_Figura_2
Bromélia da espécie Neoregelia johannis, uma das espécies utilizadas pelo sapinho-da-bromélia. Crédito: Bromeliad Paradise.

Recentemente, pesquisadores descobriram que esta espécie exibe um comportamento de cuidado parental aos ovos e girinos. Há, ainda, disputa entre os machos pela fêmea, sendo registrado o comportamento agressivo de um macho expulsando outro que estava em posição de amplexo (cópula) com a fêmea. O espécime aqui apresentado foi registrado pelo pesquisador Leo R. Malagoli, em uma floresta de altitude no município de Itanhaém, São Paulo, em outubro de 2010.

Autores Leo R. Malagoli e Natália Rizzo Friol

Para saber mais:

Malagoli, L., Trevine, V., Condez, T., Centeno, F., Von Muller Berneck, B. & Haddad, C. (2017). Notes on the breeding behaviour of the Neotropical toadlet Dendrophryniscus brevipollicatus (Anura: Bufonidae), a bromeliad phytotelmata specialist. Herpetology Notes, 10, 31-39.