Por Ana Bottallo

Um novo lagarto fóssil encontrado na área do parque natural Paso Córdoba, na província de Río Negro, Argentina, traz novas evidências para a origem e evolução do grupo de lagartos conhecidos como “teiús-anões”, pertencentes ao gênero Callopistes (figura 1). Isso porque esses lagartos, que atualmente apresentam duas espécies, são restritos à costa oeste dos Andes, com distribuição desde o sul do Chile até o noroeste do Peru e Equador.

Mas o achado, encontrado na importante Formação Chichínales, de onde já foram recuperados fósseis de mamíferos, aves e tartarugas, representa o registro mais ao sul e mais antigo do gênero. A descrição do fóssil e sua relação com as demais espécies do gênero e da família Teiidae encontram-se no artigo publicado no dia 21 de setembro na revista Journal of Vertebrate Paleontology.

AI_015_Figura_1
Figura 1. Reconstrução de Callopistes rionegrensis. Desenho Mariela Martinotti, do Museo Patagónico de Ciencias Naturales, de General Roca.

 

Batizado de Callopistes rionegrensis, em referência ao local onde foi encontrado, o animal é conhecido apenas do crânio, quase totalmente completo, exceto pela ponta do focinho e a região mais posterior da cabeça. Além do crânio, as duas mandíbulas estão preservadas.

A partir da técnica de tomografia computadorizada, o animal pôde ser estudado tanto de dentro quanto por fora, o que permitiu visualizar características importantes que colocaram esse bichinho como uma espécie distinta.

Na ponta dos dentes

De tamanho pequeno (o crânio tem aproximadamente 5cm), esse lagarto é mais proximamente relacionado a outro fóssil do mesmo gênero do que às espécies atuais, Callopistes flavipunctatus e Callopistes maculatus (figura 2). O “grupo-irmão” em questão é Callopistes bicuspidatus, encontrado em sedimentos pliocênicos do sul da província de Buenos Aires, em uma região chamada Farola Monte Hermoso[1].

Batizado de Callopistes rionegrensis, em referência ao local onde foi encontrado,o animal é conhecido apenas do crânio, quase totalmente completo, exceto pela ponta do focinho e a região mais posterior da cabeça.

Como as demais espécies da família Teiidae, ao qual esse gênero pertence, o pequeno réptil tinha dentes com várias finalidades: os primeiros, menores e com uma só cúspide (“pontinha” do dente), seguidos por um dente alongado, do tipo “caniniforme”, e por fim dentes com mais de uma cúspide. Essa gradação dentária está associada a uma alimentação onívora, embora não seja conhecido ao certo de quê ele se alimentava. As espécies atuais, Callopistes flavipunctatus e Callopistes maculatus, são conhecidas por se alimentarem de outros lagartos e de pequenas aves e invertebrados, respectivamente[2,3].

AI_015_Figura_2
Figura 2. A) Mapa de distribuição geográfica das espécies do gênero Callopistes. A estrela indica a localidade do fóssil MPCN PV-002; o triângulo preto indica a localidade do fóssil Callopistes bicuspidatus; os círculos brancos indicam área de ocorrência aproximada da espécie Callopistes flavipunctatus; os quadrados brancos indicam área de ocorrência aproximada da espécie Callopistes maculatus; B) Foto da unidade litoestratigráfica da Formação Chichínales; C) Imagem de satélite indicando a localização do sítio onde foi encontrado o fóssil Callopistes rionegrensis, no parque natural Paso Córdoba, General Roca, norte da Patagônia, Argentina.

A propósito, o fóssil Callopistes bicuspidatus foi assim chamado pois o autor considerou os dentes “bicuspidados”, ou seja, com duas cúspides, uma característica autapomórfica ou exclusiva, desse organismo, mas tanto o novo fóssil quanto a espécie atual Callopistes maculatus (teiú-anão) possuem dentes com duas cúspides.

Essa diferença seria, por exemplo, em relação aos lagartos chamados teiús (gênero Tupinambis), que se distribuem desde o norte da Amazônia até o sul da Argentina. Algumas espécies, principalmente as de maior porte como o argentino T. rufescense o “velho conhecido” de quem tem sítio, chácara ou mora no interior T. merianae (figura 3), apresentam os últimos dentes com três cúspides, e até mesmo dentes do tipo “molariforme” aparecem em algumas espécies de teiú.

AI_015_Figura_3
Figura 3. Lagarto teiú, Tupinambis merianae. Crédito: Wikipedia.

*dentes verdadeiramente molariformes são exclusivos dos mamíferos, mas muitos répteis apresentam dentes que os biólogos chamam de “tipo” molariforme, ou molariform-like. Esses dentes, em geral, são usados para esmagar e macerar os alimentos, mas não são homólogos aos dentes molariformes dos mamíferos.

Como as demais espécies da família Teiidae, o pequeno réptil tinha dentes com várias finalidades: os primeiros, menores e com uma só cúspide (“pontinha” do dente), seguidos por um dente alongado, do tipo “caniniforme”, e por fim dentes com mais de uma cúspide. Essa gradação dentária está associada a uma alimentação onívora, embora não seja conhecido ao certo de quê ele se alimentava

O lagarto Callopistes rionegrensis também apresenta uma característica única em relação aos seus parentes: ele possui de 6 a 8 dentes no pterigóide! O pterigóide é um ossinho alongado que conecta a região palatal (ou o “céu da boca”) dos répteis com o quadrado, que é um osso robusto de sustentação e articulação do crânio com a mandíbula. Nos mamíferos, o quadrado (junto com o articular, um osso da mandíbula dos répteis) passou por uma série de modificações e adaptações e faz parte do ouvido médio[4].

A dentição, aliás, é um aspecto dos organismos, principalmente dos vertebrados, que aparece muito em trabalhos de anatomia comparada e filogenia (figura 4). Isso porque os dentes possuem inúmeros caracteres que podem ser testados quando comparados a outros organismos, como o número de cúspides, como falado acima, a orientação dos dentes, o número de dentes, a reposição dentária (as cobras e lagartos – com exceção dos lagartos agamídeos, que são acrodontes – apresentam reposição dentária ao longo de toda a vida, diferentemente de nós que trocamos os dentes de leite pelos dentes permanentes uma única vez), etc.

 

AI_015_Figura_4
Figura 4. Vista labial direita de exemplares viventes estudados como comparação. A) Dracaena guianensis; B) Tupinambis merianae; C) Callopistes maculatus; D) Crocodilurus lacertinus; E) Ameiva ameiva; F) Cnemidophorus lemniscatus. A barra de escala equivale a 1 cm.

Olho maior que a boca

Mas apesar de muito importantes, os dentes não são a única característica marcante do lagartinho anão patagônico. Uma característica única que ele apresenta e que nenhum outro membro da família Teiidae atual possui é o chamado forâmen pineal ou forâmen da glândula pineal[5]. Essa pequena abertura, localizada no topo da cabeça (figura 5), entre os ossos parietal e frontal, nos répteis antigos e em algumas espécies modernas tem a função de regulamentação da glândula pineal, que é uma glândula ativada pela luz solar e envolvida nos ritmos circadianos (dia e noite) dos organismos. A luz solar estimula essa pequena estrutura à produção de vitamina D e de melatonina (não confundir com melanina, que é o pigmento de cor da pele!), um hormônio que faz com que a gente se sinta disposto e ativo durante o dia, e “desligue” para “repor as energias” durante a noite.

Essa pequena abertura, localizada no topo da cabeça, entre os ossos parietal e frontal, nos répteis antigos e em algumas espécies modernas tem a função de regulamentação da glândula pineal, que é uma glândula ativada pela luz solar e envolvida nos ritmos circadianos (dia e noite) dos organismos

Nós ainda temos a glândula pineal, mas ela localiza-se dentro do nosso encéfalo, numa região conhecida como epitálamo. Mas assim como as espécies de lagartos da família Teiidae atuais (e os demais mamíferos), não possuímos uma abertura craniana para essa glândula.

AI_015_Figura_5
Figura 5. Callopistes rionegrensis, crânio visto de cima. A) Foto e B) imagem de tomografia computadorizada. No detalhe, forâmen pineal. Foto: Ana Bottallo.

Essa característica única do fóssil Callopistes rionegrensis é uma das diagnoses da espécie. Por ser conhecido apenas de materiais fragmentários e desassociados, não é possível dizer com certeza se o fóssil Callopistes bicuspidatus possuía essa mesma característica.

Estratigrafia e Paleoecologia

Os trabalhos mais recentes em sistemática filogenética da família Teiidae consideram que a origem do grupo foi no início do Paleoceno, há 65 milhões de anos. Essa família é neotropical e possui um amplo registro fóssil sul-americano, que consiste principalmente de fragmentos isolados de mandíbulas, maxilares ou outros elementos cranianos, usualmente atribuídos ao gênero Tupinambis.

O fóssil Callopistes rionegrensis tem idade aproximada de 21.1~20.1 milhões de anos, enquanto o fóssil Callopistes bicuspidatus, do sul de Buenos Aires, tem idade aproximada em 6.8~5.1 milhões de anos, o que faz com que o novo achado seja pelo menos 14 milhões de anos mais antigo

Além disso, a formação Chichínales apresenta achados fósseis que indicam que era no passado uma região de planícies alagáveis, semelhante ao bioma “chaco” encontrado hoje em algumas regiões do norte da Argentina. A formação de Monte Hermoso, de onde veio C. bicuspidatus, também se caracterizava por um ambiente mais quente e úmido.

Como as duas espécies atuais do gênero são encontradas apenas em desertos andinos de altitude, que representam um ambiente mais seco e frio, os autores do artigo concluíram que o gênero Callopistes apresentava antes uma distribuição muito mais ampla, tanto no sentido geográfico quanto no sentido de viver em ambientes com características climáticas diferentes. Portanto, a presença de C. maculatus e C. flavipunctatus hoje em planícies do Chile e do Peru e Equador, respectivamente, deve representar uma distribuição relictual.

Saiba mais sobre este estudo:

Quadros. et al(2018). A new teiid lizard of the genus CallopistesGravenhorst, 1838 (Squamata, Teiidae), from the lower Miocene of Argentina. Journal of Vertebrate Paleontology. Acesso em: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/02724634.2018.1484754

Demais referências utilizadas

 [1] Chani, J. (1976). Relaciones de un nuevo Teiidae (Lacertilia) fósil del Plioceno superior, Callopistes bicuspidatusnov. sp. Instituto Miguel Lillo, Universidad Nacional de Tucumán, Publicaciones Especiales: 133-153.

 [2] Vidal, M. A. et al. (2011). Daily activity and thermoregulation in predator–prey interaction during the Flowering Desert in Chile. Journal of Arid Environments, v. 75, n. 9, p. 802-808, 2011.

[3] Crespo, S. & Koch, C. (2015). Notes on natural history and distribution of Callopistes flavipunctatus (Squamata: Teiidae) in northwestern Peru. Salamandra, v. 51, n. 1, p. 57-60.

[4] https://pt.wikipedia.org/wiki/Ouvido_médio

[5] https://pt.wikipedia.org/wiki/Glândula_pineal